Saltar para a informação do produto
1 de 5

D'Alma Roque

CINTO DE PROTEÇÃO UMBIGUEIRA

CINTO DE PROTEÇÃO UMBIGUEIRA

Preço normal €30,00 EUR
Preço normal Preço de saldo €30,00 EUR
Early Bird Esgotado
Imposto incluído.

Modelo
Obrigada pelo teu interesse neste produto. Assim que voltar a estar disponível serás notificad@.
Houve um erro na introdução dos dados. Podes repetir por favor?

Quero ser notificad@ quando voltar a estar disponível!

Enviar

 

 
Chamados de chumbe/chumpi (na língua quéchua), são os cintos tradicionais dos povos ancestrais. O chumbe tradicional é uma faixa que mede cinco a dez metros de altura, por quatro ou cinco metros de largura, que era enrolada nas cinturas. Sustentam a saia tradicional e têm figuras geométricas que expressam a história de cada povo. Atualmente, já não são tão grandes, mas ainda preservam as suas tradições (símbolos,
tecidos e bordados).

Há cintos típicos de várias culturas e países (peruanos, equatorianos, mexicanos, colombianos...) que trazem no seu bordado símbolos sagrados de cada povo, uma ampla variedade de desenhos tradicionais codificados (ideogramas). Com isso, cada chumbe expressa a origem da família, da comunidade, da tribo, entre outras singularidades da sua tradição de origem. São expressões culturais de cada povo, por isso também é uma peça que preserva a tradição, motivo pelo qual homens também o utilizam.

Para as mulheres têm um significado ainda maior, uma vez que os povos tradicionais acreditam que o chumbe é um “Protetor de Vidas” que representa a história e memória das comunidades, pois as mulheres teciam o próprio chumbe rezando suas proteções, colocando os símbolos sagrados de seu povo e o utilizavam protegendo seu ventre durante toda a gestação. Depois, utilizavam-no para proteger, cobrir os bebés e carregá-lo nos seus primeiros meses de vida. Até hoje as doulas utilizam o chumbe em gestantes para proteção e armazenamento
do útero mais “quente”.

Também se recomenda o seu uso em todas as mulheres que se encontram nas “mulheres na lua” (período menstrual). Nas culturas ancestrais, era comum a conexão do poder da alma e a conexão com a lua.

Sabendo de todos os benefícios para proteção e fertilidade, deixamos o útero, rins e costas quentes, evitando o frio, cólicas menstruais e protege das “portas do vento”. Também podemos acrescentar o hábito como proteção espiritual, pois sabemos que o ato de cobrir o umbigo e ventre com um cinto faz com que as energias nocivas do ambiente não entrem no corpo da mulher, principalmente em dias de lua (sangue menstrual), deixando-as menos vulneráveis.

Os nossos são feitos à mão, 100% algodão, consagrados para proteger as mulheres que os usam, com muito amor e carinho!

Ver detalhes completos